terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Chocolate, amêndoas e mastigação

Um amigou revolucionou completamente a minha forma de apreciar chocolate. Apenas referiu estas palavras mágicas: "o chocolate não se mastiga!"

Por acaso já utilizava esta fórmula a comer amêndoas de chocolate, deixando-as desfazerem-se na boca quase até ao fim, mas ainda assim aplicando-lhes uma esmagadora e certeira acção de movimento tipo guilhotina com a língua contra o céu da boca, deixando-as completamente expostas e desfeitas a meu bel-prazer... altamente satisfatório, a tocar a genialidade gastronómica!

Agora que passei a comer bombons e quadradinhos de tabletes sem nunca os trincar, txiiiii, que brutalidade de gozo!! Recomendo vivamente!

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Agradecimento, ondas etereanas e gente rija

Aproveitando o meu agradecimento nas redes sociais, faço dele um novo post neste dia pós-festa...

Ora cá está o agradecimento oficial a tanta gente boa que se chegou a mim no dia de ontem...

As redes sociais, agora falando exclusivamente no plano da virtualidade, andam todas a tender para a real morraça!! Iludem, enchem-nos de dúvidas e de falsas expectativas. Andamos todos a roçar o engano em muitos e variados momentos e tudo parece que é, mas vai-se a ver e não é bem assim... é um fenómeno caricato, por vezes bizarro e tangencial ao assustador, mas as redes sociais - o FB em particular - têm um pormenor que se lhes é intrínseco, marcante e apesar de tudo, o que se percebe e se vai interiorizando com o tempo, gerador de uma agradável tendência para a proximidade. Seja com os que estão geograficamente distantes, sendo uma excelente ferramenta para manter amizades nos meandros da militância, seja com as inusitadas surpresas de gente, que de outra forma muito dificilmente se chegaria a nós… ou nunca!!... este mundo etéreo, ridiculamente definido pela incerteza e insegurança, também é um potencial dinamizador de algo raro e extremamente necessário nos dias de hoje: ligações humanas. Em determinados chega a ser um bálsamo!!

Quem me conhece bem sabe que ando constantemente no fio da navalha no que à exposição virtual diz respeito, havendo pormenores fundamentais nestas andanças que me incomodam bastante, mas devo admitir, satisfeito ao fazê-lo, que o saldo continua a ser francamente positivo. Não o digo apenas e só depois de por aqui ter estado a responder a muita gente que dedicou umas migalhas de tempo a tornar o meu dia mais brilhante, especial e tradicionalmente sendo um dia invernoso e cinzento; digo-o porque saio revigorado depois de um dia bem passado! (apesar de não ter conseguido fazer “aquela festa” que costuma dar-nos que falar durante meses, em que me esforço por juntar muita gente interessante e interessada em estar junta, em partilhar um momento diferente regado de boa conversa e muita música ao vivo… este ano foi diferente mas igualmente bom)

Fico muito honrado por ser alvo da vossa atenção, mesmo sabendo que "alarmes" não faltaram na net e smartphones a avisar que ontem seria, vá lá, o meu dia. A quem me parabenizou e abraçou ontem e ainda hoje, o meu sentido obrigado!! Fez diferença, para melhor, num dia que já de si estava a ser em grande e em tão boa companhia.

Nas palavras sábias do Sérgio Godinho, “só quer a vida cheia quem teve a vida parada” e eu, cá ando muita satisfeito com isto!

Beijos e abraços, fiquem em boa companhia e BOM ANO de 2015!!

Vá agora acabar com esta merda de converseta mole, que isto tá feito é para gente rija! SIGA!!

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Vida, relações e internet

Num final de ano e em jeito de balanço, apanhei este texto na net que dá muito em que pensar...

Não só nas relações românticas, mas nas relações em geral e nas amizades virtuais. Na questão da individualidade, maturidade e crescimento pessoal e principalmente na forma como vivemos o nosso dia-a-dia. Como ouvimos música e vemos televisão, como achamos que estamos tão focados no agora e ligados a tudo e todos e se calhar até não!

Não é suposto a vida ser tão fácil como aparentam as selfies e as fotos das viagens dos nossos amigos nas redes sociais, o acumular de inícios de relações românticas que não passam dessa fase, as amizades que não se encaram de forma militante, aquelas poucas mas expressivas relações em que não se investe tempo, presencialmente ou com um telefonema, porque se anda demasiado ocupado com tantas relações virtuais em chats, mensagens e troca de galhardetes em formato de post... enfim, sinais dos tempos.

Vale a pena ler e reflectir...


«This Is How We Date Now

We don’t commit now. We don’t see the point. They’ve always said there are so many fish in the sea, but never before has that sea of fish been right at our fingertips on OkCupid, Tinder, Grindr, Dattch, take your pick. We can order up a human being in the same way we can order up pad thai on Seamless. We think intimacy lies in a perfectly-executed string of emoji. We think effort is a “good morning” text. We say romance is dead, because maybe it is, but maybe we just need to reinvent it. Maybe romance in our modern age is putting the phone down long enough to look in each other’s eyes at dinner. Maybe romance is deleting Tinder off your phone after an incredible first date with someone. Maybe romance is still there, we just don’t know what it looks like now.

When we choose—if we commit—we are still one eye wandering at the options. We want the beautiful cut of filet mignon, but we’re too busy eyeing the mediocre buffet, because choice. Because choice. Our choices are killing us. We think choice means something. We think opportunity is good. We think the more chances we have, the better. But, it makes everything watered-down. Never mind actually feeling satisfied, we don’t even understand what satisfaction looks like, sounds like, feels like. We’re one foot out the door, because outside that door is more, more, more. We don’t see who’s right in front of our eyes asking to be loved, because no one is asking to be loved. We long for something that we still want to believe exists. Yet, we are looking for the next thrill, the next jolt of excitement, the next instant gratification.

We soothe ourselves and distract ourselves and, if we can’t even face the demons inside our own brain, how can we be expected to stick something out, to love someone even when it’s not easy to love them? We bail. We leave. We see a limitless world in a way that no generation before us has seen. We can open up a new tab, look at pictures of Portugal, pull out a Visa, and book a plane ticket. We don’t do this, but we can. The point is that we know we can, even if we don’t have the resources to do so. There are always other tantalizing options. Open up Instagram and see the lives of others, the life we could have. See the places we’re not traveling to. See the lives we’re not living. See the people we’re not dating. We bombard ourselves with stimuli, input, input, input, and we wonder why we’re miserable. We wonder why we’re dissatisfied. We wonder why nothing lasts and everything feels a little hopeless. Because, we have no idea how to see our lives for what they are, instead of what they aren’t.

And, even if we find it. Say we find that person we love who loves us. Commitment. Intimacy. “I love you.” We do it. We find it. Then, quickly, we live it for others. We tell people we’re in a relationship on Facebook. We throw our pictures up on Instagram. We become a “we.” We make it seem shiny and perfect because what we choose to share is the highlight reel. We don’t share the 3am fights, the reddened eyes, the tear-stained bedsheets. We don’t write status updates about how their love for us shines a light on where we don’t love ourselves. We don’t tweet 140 characters of sadness when we’re having the kinds of conversations that can make or break the future of our love. This is not what we share. Shiny picture. Happy couple. Love is perfect.

Then, we see these other happy, shiny couples and we compare. We are The Emoji Generation. Choice Culture. The Comparison Generation. Measuring up. Good enough. The best. Never before have we had such an incredible cornucopia of markers for what it looks like to live the Best Life Possible. We input, input, input and soon find ourselves in despair. We’ll never be good enough, because what we’re trying to measure up to just does not fucking exist. These lives do not exist. These relationships do not exist. Yet, we can’t believe it. We see it with our own eyes. And, we want it. And, we will make ourselves miserable until we get it.

So, we break up. We break up because we’re not good enough, our lives aren’t good enough, our relationship isn’t good enough. We swipe, swipe, swipe, just a bit more on Tinder. We order someone up to our door just like a pizza. And, the cycle starts again. Emoji. “Good morning” text. Intimacy. Put down the phone. Couple selfie. Shiny, happy couple. Compare. Compare. Compare. The inevitable creeping in of latent, subtle dissatisfaction. The fights. “Something is wrong, but I don’t know what it is.” “This isn’t working.” “I need something more.” And, we break up. Another love lost. Another graveyard of shiny, happy couple selfies.

On to the next. Searching for the elusive more. The next fix. The next gratification. The next quick hit. Living our lives in 140 characters, 5 second snaps, frozen filtered images, four minute movies, attention here, attention there. More as an illusion. We worry about settling, all the while making ourselves suffer thinking that anything less than the shiny, happy filtered life we’ve been accustomed to is settling. What is settling? We don’t know, but we fucking don’t want it. If it’s not perfect, it’s settling. If it’s not glittery filtered love, settling. If it’s not Pinterest-worthy, settling.

We realize that this more we want is a lie. We want phone calls. We want to see a face we love absent of the blue dim of a phone screen. We want slowness. We want simplicity. We want a life that does not need the validation of likes, favorites, comments, upvotes. We may not know yet that we want this, but we do. We want connection, true connection. We want a love that builds, not a love that gets discarded for the next hit. We want to come home to people. We want to lay down our heads at the end of our lives and know we lived well, we lived the fuck out of our lives. This is what we want even if we don’t know it yet.

Yet, this is not how we date now. This is not how we love now.

(Jamie Varon)»


Foi muito por causa destas e de outras questões que compus o tema "Dono do Teu Nariz"

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Arte, kitsch e a morraça da Joana Vasconcelos

Achei isto no Facebook e trouxe para aqui para lançar o debate...

«Haja pachorra, Joana!
Já tive mais pachorra do que tenho hoje para aturar o que não gosto. Também já tive mais dinheiro do que tenho hoje e, em compensação, menos cabelos brancos do que tenho agora. É assim a vida: vamos perdendo e ganhando coisas. Só a Joana Vasconcelos é que não ganha talento nem perde vergonha. Como diz o povo, mais vale cair em graça que ser engraçado, e com ela é isso mesmo que sucede. Há humoristas que acham que qualquer chorrilho de palavrões ditos em público tem um piadão a que ninguém resiste; a Joana Vasconcelos acha que qualquer coisinha feita em ponto grande se torna numa obra de arte. Este não é o único critério, não exageremos. Segue pelo menos um outro. Consiste em vestir qualquer objeto de croché. Compra um sapo na loja dos chineses; paga uma miséria a uma senhora na pré-reforma para que lhe faça uma espécie de preservativo em croché; veste o sapo e está a obra de arte feita. Vendem que nem pãezinhos, as galerias que o digam. Os compradores devem ser os mesmos que riem alarvemente com os palavrões ditos em público. Eu consigo apreciar menos as porcarias que ela faz que os palavrões ditos em público, mas isso sou eu, e com os gostos de cada um ninguém tem nada a ver. Nem eu diria nada não fosse ver a última diarreia da insigne artista. O galaró prantado na praia de Copacabana, putativa representação da portugalidade, roubou-me o último pingo de pachorra. Como o Brasil já foi terra de canibais não percamos a esperança: talvez ainda façam cabidela… de Joana. Enquanto fazem e não fazem, e procurando conciliar o riso alarve do palavrão com a diarreia da artista, que tal trocar o galo de Barcelos por um caralhão das Caldas?»
(Luís Cunha)


...de facto não consigo entender como e porque é que gostam tanto da "arte" dela no estrangeiro. Cá até dou e benefício da dúvida, uma vez que há tanta gente pirosa a usar desculpa para tudo "porque é kitsch" e pensando bem, há artistas a expôr fotografias de anus, esculturas de cocó e outras merdas apelidadas de arte só porque é 'trendy' ou "demasiado arrojado" para ser entendido por comuns mortais. Há arte útil como o design, arte comercial que entretém, arte contemplativa, arte especulativa... há muitos tipos de arte, sim, mas isto não sei o que lhe hei-de chamar que não seja "arte morraça"! Cá por mim a "artista" pode ir comer um cão cheio de pulgas. E ainda estou para saber se o Cavaco tem alguma obra da Joana Vasconcelos na sua marquise...

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Vazio, cheio e meia benga

Uma das teorias mais controversas e paradoxais de que há memória, pelo menos desde que se lembraram de beber líquidos em recipientes de vidro - vulgo copos, principalmente tratando-se de bebidas alcoólicas, sendo que serão as que mais puxam pela imaginação, que muita gente se debate com a questão do copo estar meio cheio ou meio vazio. Filosofias à parte, consigo dar cabo deste problema em duas estocadas em jeito de frases lógicas:

- quando se enche o copo até meio, o copo está meio cheio;

- quando se enche o copo até cima e se bebe ou se vaza algum do líquido até ficar sensivelmente a meio, o copo está meio vazio.

End of discussion... ou não!

domingo, 14 de dezembro de 2014

Seinfeld, prémios e brutal honestidade

Nunca tive ídolos mas sou um profundo e convicto admirador de algumas pessoas interessantes que por aí andam ou já andaram há algum tempo.

Para mim, Jerry Seinfeld é um tipo que personifica a sofisticação que a simplicidade pode trazer, é como o peso do silêncio no meio das músicas, é a importância da observação consciente de uma sociedade cheia de podres mas que, assim como a caracterizam pela negativa, também a podem forçar a melhorar pela brutalidade que é apercebermo-nos das coisas como elas são, de facto e sem rodeios, inclusivamente até com algum humor à mistura, o que em si já é absolutamente delicioso.

Ser consciencioso é importante, fundamentar as opiniões é extremamente relevante, ser auto-crítico é determinante, mas temperar tudo isto com humor, é outro nível e há tipos assim, que minam o sistema por dentro. Este é um dos bons exemplos de alguém que aprendeu as regras do jogo e faz do jogo e das suas personagens o que quer, com frontalidade e honestidade em todos os momentos ("first learn the rules than break them like a pro"). É um tipo que conquistou a liberdade interessante que o dinheiro e o estatuto podem 'comprar' neste mundo bizarro em que parece que as coisas só fluem num sentido.

É deveras refrescante e até reconfortante perceber que há quem não inche demasiado com o dinheiro, o poder e a fama e se mantenha fiel a si próprio, sobretudo e apesar de continuar a fazer parte do jogo!

Este tipo é simplesmente genial!!


quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Goucha, tribunais e falta de tacto

"Goucha Processa Estado Português"

Hoje dei com esta notícia e várias questões se levantam e me fazem confusão...

Em primeiro lugar, porque raio é que alguém no seu perfeito juízo processa um canal de televisão, tendo em conta que se trata de um programa de entretenimento que vive de monólogos tipo standup comedy, sketchs e entrevistas com convidados, sendo que, entre outros assuntos, se abordam temas como a comunicação social e figuras públicas!?

Em segundo lugar, sendo as questões da sexualidade e de género algumas das que suscitam mais arbitrariedade a nível de considerações humorísticas, ainda que considere a hipótese de haver limites até para o próprio sentido de humor, o Sr. Goucha pôs-se a jeito duas vezes: quando foi alvo de chacota no programa ‘5 Para a Meia-Noite’ e também quando perdeu em tribunal.

É que a liberdade tem destas coisas. Cada um pode ser o que bem entende e apresentar-se como lhe der na real gana, mas quando se é uma bichona doida, ao mesmo tempo apresentador (confesso que estive quase para escrever esta palavra no feminino… a equipa do “5” tem piada!) de um dos programas com mais visibilidade da televisão portuguesa e se passa grande parte to tempo a arranjar lenha para se queimar em directo e para quem quiser ver… epá, se há alguém que falta ao respeito a alguém, é o Goucha a si próprio! E isto sem nunca ter visto mais do que 5 minutos seguidos de qualquer dos seus programas na TVI – claro que no tempo da RTP e mesmo na TVI antes ter assumido a sua preferência sexual, esta questão não se punha; noutros tempos o apresentador primava pelo profissionalismo e não passava o tempo a mandar piadolas ambíguas e chalaças dúbias sobre Homossexualidade e as suas preferências sexuais, fazendo-se o centro de todas as atenções, num programa cuja audiência - ao vivo no estúdio e onde quer que alguém tenha ligado as televisões por este país fora - é maioritariamente composta por mulheres... e isto ao lado de uma loira que consegue rivalizar com a Júlia Pinheiro a nível de decibéis!! É obra!

Tenho para mim que um dia destes o Sr. Goucha ainda acaba a ser processado pela comunidade gay, mas para já está a pôr-se a jeito para ouvir outro sermão de um qualquer juiz europeu.

Esta gente não investe tempo e dinheiro noutros assuntos mais importantes como os alimentos transgénicos ou a questão da co-adopção!? Bons assuntos para serem levados ao Tribunal Europeu dos Direitos do Homem.

Isto não é um problema de injustiça com base no preconceito, é um problema de estupidez com base na falta de tacto… de todas as partes envolvidas!

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Pais, meninas e meninos

Noutro dia um amigo meu, pai de uma menina com 3 anos e um rapaz recém-nascido nos braços, dizia orgulhoso:

- "Finalmente um 'pilas'!! ...mas atenção que adorei a experiência de ter uma menina... em todo o lado há tanta coisa e tão gira para elas, nas lojas, nos catálogos (...) fiz-lhe uma casa de bonecas com uma cozinha (...) estou sempre atento ao que diz (...) levo-a 'aqui' e 'ali'... sou um pai babado, estou a adorar!!"

Resposta pronta de vários dos homens presentes, em simultâneo e em polifonia:

- "...espera até ela ter 16 anos!!"

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Paz, felicidade e redes sociais

Diz o Nobel da Paz que...

«o emprego é um tipo de escravatura porque se está às ordens de outra pessoa. Aceita-se um emprego, há horários e condições que se têm de aceitar: por isso não se é livre. Porquê escolher isso? Por que não ser livre, tomar as decisões sobre o que se quer fazer? Isso é o estado natural do ser humano. Quando se aceita um emprego começa-se por baixo. Vai-se subindo de nível, até que, no fim da vida, eventualmente se chega ao topo. Isso é uma utilização muito limitada do talento humano. Os seres humanos têm um poder criativo tão grande. Porquê perder a energia e o poder, fazendo algo que outros mandaram, e que nós podemos não gostar, só para ter um cheque ao fim do mês? Assim estamos a vender-nos. E para quê? Temos é que fazer as coisas de que gostamos. Por isso, o nosso estado natural é sermos criadores do nosso próprio emprego, sermos, nós próprios, empreendedores.

Como é que seria o mundo só com empreendedores? Não precisamos de pessoas que sigam outras?
Seria divertido, toda a gente ia adorar. Imagine que eu seria empreendedor e você também. Você precisava de mim e eu de si, teríamos uma parceria, trabalharíamos juntos. Seríamos livres. E esse seria o nosso trabalho. Faria as coisas porque queria, e não porque precisava.»

(Muhammad Yunus, artigo completo aqui...)

Entre o I think careers are a 20th century invention e the things you own end up owning you, esta lógica de 'ganhar' dinheiro para termos o que nos dizem que é importante - casa, carro, férias, gadgets... - é conducente a uma vida de escravatura, sim! Durante a nossa vida adulta passamos a maioria do nosso tempo a dormir e a sonhar com mais e melhor(es coisas) ou a trabalhar para as ter. Entre 6h de sono, que devia ser de qualidade e com total ausência de stress e 8h de trabalho que deveria ser de entrega e motivo de orgulho, investimos tanto em coisas que realmente não gostamos, para impressionar pessoas que, no mínimo, não nos interessam assim tanto e com o objectivo último e premente de nos tornarmos em algo que contraria a nossa mais intrínseca forma de ser. Na maior parte das situações até nos limitamos a nós próprios porque há regras estúpidas em jeito de 'porque sim', que nos são impostas a todo o momento por outros e por nós próprios, tanto em ambiente profissional como social. Somos demasiado exigentes com tudo e todos e isso até poderia ser bom, produtivo, desde que devidamente direccionado.

Vivemos tempos de livre e fácil acesso à informação, estando constante e frustrantemente inundados em estudos científicos, reportagens e artigos de opinião, sempre controlados pela confusão da realidade que nos apresentam, normalmente paradoxal e conflituosa... são os tempos dos treinadores de bancada, toda a gente tem direito a uma opinião... bah! Por mais ridículo que pareça, é um facto que hoje em dia é importante parecer que se tem ou que se é antes de ter ou ser. As páginas de Facebook, Twitter e Instagram iludem com um mar de selfies descontextualizadas, os blogs e o YouTube mentem descaradamente com vídeos manipulados mas ninguém liga, ou pior, entra-se numa corrida que leva a uma espiral de ilusão que não faz qualquer sentido... só 'porque sim'.

É sabido, pelo menos para alguns, que as hierarquias servem para manter o status quo e que certas instituições como as religiosas e políticas são os pilares desta falta de respeito pela humanidade na sua mais básica condição e hoje em dia já ninguém está disposto a confiar em políticos sérios ou líderes religiosos desinteressados, que são raros, mas dispõem-se motivadamente a dar poder a populistas demagogos que são produtos deste frenesim bizarro que promove a ausência de talento e o culto da mediocridade. Não importa se se é bom em alguma coisa, tem de se ser o melhor possível na arte da ilusão e ninguém se apercebe que o truque é sempre o mesmo e igual para todos. Já não há coelhos em cartolas ou cartas de jogo que surpreendam quem quer que seja, quando devíamos era surpreendermo-nos com o nível de falso interesse a que isto chegou, Já não vai havendo muita gente interessada, é tudo uma cambada de interesseiros!

Haja paciência para sobreviver a esta fase da nossa cultura ocidental (cada vez mais globalizada)... Para pegar em mais uma frase de filme: carpe diem e mente aberta!


...quem não 'apanhou', as referências: Into The Wild, Fight Club e Dead Poets Society.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Abutres, fisco e meninos de coro

Um dos maiores gangsters e mafiosos da história americana foi apanhado pelo fisco. Se ao menos por cá os abutres fossem apanhados assim. ...declarar rendimento mínimo, bens em nome de familiares, offshores, sedes em paraísos fiscais... o Al Capone era um menino!!

domingo, 23 de novembro de 2014

Política, gafanhotos e síndrome de Tourette

Face à realidade portuguesa atual, à verborreia que escorre a rodos juntamente com os gafanhotos nos discursos que nascem de verdadeiras diarreias mentais da grande maioria dos detentores de cargos públicos e muitos dos políticos em Portugal, estou seriamente inclinado a votar no próximo candidato que sofra de síndrome de Tourette!!

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Fios em espiral, maus filmes e internet

Se há coisa que me irrita solenemente, ao mesmo tempo que me deixa verdadeiramente maravilhado, é o estranho fenómeno que se dá com os fios em espiral dos telefones fixos. Porque raio e em que momento é que o fio fica com aqueles jeitos manhosos ao arrepio da continuidade da espiral!!? Não me faço entender? Passo a explicar...
Por vezes, a meio do fio do telefone, aparecem umas "contra-espirais" que certamente surgiram com a maior das facilidades, mas que para desaparecerem tem de se pegar no fio e ir desenrolando o mesmo no sentido da espiral, até que esta fique homogénea e normal, sem "arrepios"! Isto irrita, não só porque demora tempo e temos de ter o auscultador fora do "descanso", mas porque não dá para perceber quando, quem, como ou o que provoca tal alteração. Além de estupefacto, esta situação recorrente deixa-me ridiculamente interessado em desvendar um mistério que já se arrasta há mais de três décadas, em vários telefones e locais diferentes, claro!
É assim como que um péssimo filme que se assiste no cinema mas que estranhamente nos deixa curiosos em saber o final, sendo que de repente há um corte de electricidade, saindo forçosamente a meio, não voltando a repor o filme naquela sala, em qualquer outro cinema e tão pouco algum canal de televisão o compra para exibi-lo nem que fosse às 3h da madrugada ou num domingo às 16h! (claro que neste cenário ainda não havia internet, streaming ou torrents!)

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Música, sentimento e aquele momento

Tanto para quem toca em palco, como para quem ensaia numa garagem ou ainda para quem vai a jams, sabe que a música tem momentos em que inexplicavelmente somos mais do que a soma das partes e bem mais do que aquilo que conseguimos descrever, por mais que se tente! Refiro-me àquele pedaço de tempo, àquela preciosa coleção de momentos soltos mas magicamente entrelaçados em que fundimos consciências e nos unimos em volta de um propósito comum... sentir e fazer sentir!

Este tema, não sendo das coisas mais fantásticas que já ouvi (do Bill Withers ou de qualquer outro músico), deixa transparecer um pouco daquilo a que me estou a referir. Há muitos e talvez melhores exemplos para tentar definir isto, esta "sensação de absorção mas ao contrário", como que um arrepiar para dentro e depois para fora, que sai do âmago, da alma, da nossa condição mais humana que é a de criar e sentir.

O meu irmão Andre falou-me desta versão de I Cant' Write Left Handed, aqui pelo John Legend And The Roots, deste solo de guitarra e da curtição do guitarrista, que é de facto é um momento poderosíssimo!!! Acho até que já nem consigo ouvir mais música por hoje, ainda a digerir o que senti...

Não celebro 'dias disto e daquilo' só porque alguém se lembrou de os assinalar no calendário. Acho ridículo - até porque o dia da música, para mim, são todos! - mas dedico este pedacinho de curtição musical a todos os meus companheiros e amigos músicos e melómanos.


domingo, 28 de setembro de 2014

Ervas, memória e o sacana do alemão

Não consigo perceber porque é que numa conversa sobre comida, nunca me lembro do nome daquela daquela erva... espera... salsa, coentros, cebolinho, segurelha, cominhos, tomilho, alecrim, hortelã............... mangericão!!!
Porra, que tive de ir procurar à net! Juro que não percebo porque é que não consigo fixar o nome "manjericão" quando gosto tanto, uso e nem é uma palavra estranha. Estranho sou eu!!

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Boxers, roupa de cama e tiques nervosos

A primeira vez que se veste uns boxers - não a primeira vez na vida, que essa sensação é de facto excelente... quanta liberdade, caramba! - eles ficam confortavelmente no lugar, mas depois de se caminhar um bocado, conduzir umas horas ou andar por casa a fazer alguma coisa, transpira-se. Se vamos ao wc, por exemplo e os voltamos a subir e a "encaixar" no sítio, já não é a mesma coisa!! Os minutos que se seguem são tenebrosos e de extrema e acutilante inquietação, puramente angustiante! Nada parece ficar no seu lugar, o tempo pára e o mundo deixa de fazer sentido, sendo que nos primeiros passos que se dá sente-se que temos um andar novo; depois estica-se uma perna, põe-se um braço no ar, abre-se a boca para o canto superior oposto ao da inquietação, coça-se atrás da orelha, "desentala-se" os boxers num ridículo e desenfreado "puxa daqui e puxa dali" como se de um lençol de cama de solteiro para cama de casal se tratasse... é um pesadelo ao vivo e a cores!! Mas de certa forma a coisa magicamente acaba por ir ao lugar e algumas horas depois já não nos lembramos, mas a verdade é que nunca fica como logo de manhã!

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Bancos, lata e muito merdum

A publicidade do novo banco 'Novo Banco', passo a redundância e não é só aqui que parece um nome, vá lá... parvo, já anda a rodar na rádio. Entre outras coisas, algumas verdadeiras, outras nem tanto, dizem e passo a citar "com a experiência confirmada de mais de 6000 colaboradores". Ora toda a gente sabe ou se não sabem deviam saber, o monte de esterco, enganos e falcatruas em que este banco vai nascer e, ao que tudo indica, florescer... pelo menos até serem apanhados na curva outra vez. Entretanto o que mais me incomoda, além do óbvio, é a desfaçatez e a lata de usarem o argumento da "experiência confirmada" dos mais de 6000 colaboradores, sabendo-se que muitos deles vão deixar brevemente de "colaborar"... ts ts ts

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Vida, humor e combustão espontânea

Sem dúvida que os indivíduos mais irrequietos, brilhantes e capazes de puxar pelo melhor nos outros, possuem mentes atormentadas. Têm personalidades desequilibradas e emocionalmente danificadas. Questionam-se a todo o momento, são extremamente exigentes consigo próprios e levantam constantemente a fasquia, aperfeiçoando-se sobretudo na sua forma de dar, potenciando em igual medida a sua capacidade de sentir e por vezes é demais, não aguentam tudo o que o mundo lhes oferece e o que o reconhecimento lhes traz, sendo invariavelmente o combustível que os faz andar mais e melhor e muitas vezes os incendeia por dentro! Dão muito, expõem-se mais, entregam-se demais e depois ficam vazios, consumidos pelo desequilíbrio que é viver cada segundo no fio da navalha, no momento, tanto dentro de si como à volta e no meio dos outros. É extenuante e nefasto, como se comprova: os melhores partem sempre mais cedo.
Robin Williams era um ser humano excepcional, cheio de defeitos e contradições mas amável, disponível e dono de uma sensibilidade, humor e inteligência fora do normal, uma pessoa única, que deixa marcas indeléveis e muito para se ver, ouvir e sentir bem para além do ainda assim pouco tempo que por aqui andou. Sofrendo ou não, teve uma vida cheia e deixa belíssimas recordações.
Atrevam-se a ver filmes dele como Dead Poets Society, Good Will Hunting, Fisher King e tantos outros, mas principalmente a fazer standup comedy (Weapons of Selfdestruction), onde ele estava completamente à vontade e era (muito mais) ele próprio.
Não se perde só um grande actor e um marcante standup comedian, perde-se sobretudo um ser humano de enorme valia e valor.

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Telemóveis espertos, normais e chatos

A pior coisa que aconteceu a quem tem telemóveis 'normais' foi terem aparecido os smartphones. Já não faço parte deste primeiro grupo, sou dos chatos que envia mensagens como se fosse 'chat' e mói os desgraçados que do outro lado passam o tempo todo a ouvir o telemóvel apitar a cada sms que recebem... no meu caso, a cada 'enter' que teclo!
De vez em quando lá oiço o sermão: "epá, que maluqueira de ésse-eme-ésses demoníacos quando falamos por mensagem! aquilo apita que nem doido a cada 3 segundos! tu orienta-te porque se me dá uma tataínha manhosa!"

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Andares, exercício e PDI

Começas a aperceber-te que estás a ficar velho quando depois de voltar a fazer exercício físico, passado algum tempo de marasmo, não é no dia a seguir que te custa, mas dois dias depois, em que parece que ganhaste um andar novo... literalmente a arrastares-te!! txiiiii

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Brasil, goleada e humor do demo

Há que ser positivo, neh galera!?
A melhor parte de uma desgraça, por mais vergonhosa que seja, é o investimento na recuperação psicológica e emocional através do sentido de humor e aposto que mais de metade do que tem aparecido na internet - algumas piadas e observações, verdadeiramente geniais!! - é feito por brasucas. Ah valentes!!

sábado, 5 de julho de 2014

Música, viagens no tempo e coirão de barbearia

Durante anos (ANOS!!) procurei por músicas a capella de um tipo muito específico de coro que havia nos EUA dos anos '30. Muito ao género dos trios femininos da década de '20 (Andrew Sisters) e dos quartetos femininos da década de '40 (The Chordettes), nos anos '30 havia os quartetos das barbearias.

As minhas referências eram de filmes e de um ou outro tema com arranjos vocais desse género.

Lembro-me dos 'Tet Vocal', que tinham muitos arranjos a roçar o género; os Queen ("Bohemian Rhapsody") e os Beach Boys ("Sufer Girl"); no segundo álbum d'Os Azeitonas aparece um tema muito interessante com vozes muito bem esgalhadas; o Sérgio Godinho ("A Deusa do Amor"), a KT Tunstall ("Stoppin' The Love") ou os Everclear ("So Much For The Afterglow"); o quarteto do advogado Ted da série Scrubs; noutro dia vi um episódio de 'How I Met Your Mother' em que dois Barneys e dois Teds cantavam a capella o tema "For The Longest Time" de Billy Joel e já aqui há tempos tinha visto um bocadinho do filme 'The Music Man' de 1962, onde aparecia precisamente o que tanto procurava e sempre sem sucesso...

Hoje, durante o ensaio da minha nova banda e a tentar explicar os arranjos vocais que fiz para um tema meu - "É Melhor Seres Tu" - lembrei-me de procurar por 'choir types' no Wikipedia e dei com o que queria: BARBERSHOP QUARTET!!!

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Casa de banho, duche e apontamentos

Ontem estava na casa de banho do meu local de trabalho e tive uma ideia que me deixou entusiasmado! Como não tinha onde apontá-la, fiz por me tentar lembrar e decidi pensar nela ciclicamente para que não se escapasse da memória até chegar ao telemóvel ou a um papel e caneta... claro que me esqueci e passei o dia todo a tentar lembrar o que seria, sempre sem sucesso. Hoje, heis-me no referido local, de telemóvel na mão, a escrever este post depois de me ter lembrado da ideia de ontem. Assim que aqui entrei veio-me logo à cabeça!
Já não venho ao wc sem o telemóvel ou pelo menos uma caneta e um caderno de notas ou uma folha de rascunho que seja!!
Pena que não dê para levar nada disto para a banheira... quantas coisas me ocorrem enquanto tomo banho!! Letras, riffs e melodias, ideias para o blog, possíveis novas receitas... uma parafernália de coisas interessantes e que se perdem pelo ralo, enquanto escorre a água do duche.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Televisão, linguagem corporal e chicos-espertos

Noutro dia estava a ver uma notícia sobre o comandante da Protecção Civil acusado de desvio de verbas e a pensar... serei só eu a achar que se consegue tirar o azimute a estes chicos-espertos pela pinta, expressões faciais e linguagem corporal!?

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Dicas subversivas, carros e coletes

Se um dia forem apanhados a mudar um pneu ou coisa do género, sem o colete, digam que não têm colete no carro, mesmo que tenham! A coima por não ter o colete é 60€, já por ter e não o utilizar é o dobro (120€).

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Morte, amor e ironias da vida

A propósito da morte estúpida do irmão de um grande amigo - todas as mortes são estúpidas mas é pior quando parte alguém tão novo, cheio de vida e coisas boas para dar e ainda por cima por acidente...


Quando se ama a presença enche-nos e torna-nos leves e a ausência vaza-nos mas deixa-nos pesados... é um dos paradoxos e ironias estranhas da vida.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Vida, amor e viagem

A malta hoje em dia distrai-se facilmente com a 'festa' e a 'celebração' que vai dentro da carruagem. Ligam demasiado ao imediato, à ilusão da imagem e não vêem para além da maquiagem. Não conseguem apreciar a paisagem! Muitos até se deixam ficar, a curtir 'a cena', a viver o momento num vagão desacoplado e à deriva, que o comboio, esse, lá partiu e seguiu viagem.


"Solteiros 3.0: o amor deixou de ser para sempre?

O solteiro 3.0 muitas vezes nem se chegou a casar e aterra sem pára-quedas numa espécie de meia-idade prematura, cheio de energia e alegria, como se tivesse renascido da uma morte lenta

O mais provável é que nunca tenha sido para sempre. Não me refiro ao amor de pais aos filhos, esse doce sentimento familiar que raramente se corrói e subsiste a males e desgraças. Nem do amor ao próximo e aos animais. Falo do amor que nasce da paixão e fica quando ela não resiste. Estaremos perante um novo paradigma social, face à nova onda de relações assentes em contratos a termo?

Não me parece. A mudança a que estamos a assistir é condicionada e aparente. Condicionada, porque os nossos comportamentos só estão mais visíveis, mais transparentes e mais fáceis — socialmente esta mudança está a ser mais aceite. Aparente, pois há um século a esperança média de vida era de 50 anos e hoje ronda os 80. Vivemos mais! Portanto, muitos dos que achavam que amavam para sempre, simplesmente não viviam tempo suficiente para descobrirem que talvez não. O mesmo efeito acontece com a saúde: as doenças cardiovasculares só chegaram ao topo das causas de mortalidade porque as pessoas passaram a viver tempo suficiente para o provar, uma vez resolvido o problema das infecções.

Este é obviamente apenas um dos vértices da questão. Porque o argumento mais importante é que hoje as pessoas resistem menos a viverem num amor morto, numa relação que transforma o lar numa casa mortuária feliz, onde a câmara ardente se vive com a tranquilidade de quem se habituou à ideia que basta sobreviver. O tempo dessa condescendência já passou e, em parte, graças à tecnologia que vai denunciando as pequenas infidelidades e as grandes deslealdades. E uma vez descobertas, já ninguém aguenta. Até porque o solteiro 2.0 — o divorciado de há duas décadas — era um marginalizado social de que não há memória. O solteiro 3.0 muitas vezes nem se chegou a casar e aterra sem pára-quedas numa espécie de meia-idade prematura, cheio de energia e alegria, como se tivesse renascido da uma morte lenta. Mais do que tolerados, já são socialmente normais. Bem vistos, até, por terem tido a coragem de querer voltar a viver e a celebrar essa vontade em animados festins de grupo.

Essa celebração é saudável, porque é autêntica e genuína. Porque tudo o que faz querer viver mais e sorrir melhor vale a pena. Mas substituirá no longo prazo a necessidade de um amor que fique? Julgo que não.

Será o amor para sempre impossível? Não. Provavelmente só é muito difícil, como tudo o que vale a pena. Porque o mais fácil é apaixonar-nos. Complicado é manter-nos apaixonados, interessados. Não é obviamente em câmara ardente que se segura um amor para sempre, mas duvido que seja com renovação de roupagem que nos fazemos vestir de felicidade. Precisamos de saber dar aos outros como se fosse a nós mesmos e interessar-nos por quem amamos como se fosse conosco. Porque só assim nos mantemos interessantes, precisos, parceiros, nossos. Porque essa é a característica patente nas relações que duram: nas relações familiares, quase sempre imortais.

Embora fundamental, este altruísmo para com quem amamos não chega. Precisamos de saber renovar, de aprender e dar de novo, de começar tudo como se fosse hoje a última vez. Como se fosse a primeira vez, num rastilho com cheiro a pecado até o aroma ser doce outra vez. Porque um amor sem altos e baixos é como um deserto: adormecemos na monotonia de uma paisagem sem cor."

in P3, por Pedro Barbosa • 07/05/2014

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Vozes, nozes e a praça cheia


Extremamente orgulhoso da noite de ontem, dos meus companheiros de banda e demais artistas envolvidos num espectáculo todo feito com a prata da casa - artistas/agentes/associações culturais e empresa locais!
Pela minha parte, agradeço o carinho de muita gente próxima que se fez notar antes, durante e depois e o calor absolutamente fantástico de um praça cheia de gente interessada num espectáculo diferente e sempre connosco do princípio ao fim. Levarei esta noite sempre comigo!
Obrigado

www.facebook.com/vozarua
www.facebook.com/associ.comunicacaoeartes
www.facebook.com/do.imaginario
www.facebook.com/acristinafaz

www.facebook.com/pages/Telmo-Rocha-Deambulações
www.facebook.com/pedropintofoto
www.facebook.com/pages/AUDEX-Aluguer-de-Som-e-Luz/

Abril, praça cheia e gente viva

Évora, Praça do Giraldo - comemoração dos 40 anos do 25 de Abril (foto por Telmo Rocha, 2014)

De um punhado de imagens que possam efectivamente representar o que é a liberdade de um povo, talvez esta seja das melhores.
Há opressão, há coacção, há direitos conquistados que se vão perdendo, há uma nova espécie de fascismo no ar - por vezes sente-se!, no trabalho, no desinteresse pela causa pública, na ganância e egoísmo galopantes, nas notícias, na programação televisiva, sub-repticiamente até na internet e nas redes sociais, mas ainda há liberdade - com consequências, mas sempre as houve - para ter opinião, para nos exprimirmos, para sair à rua e até para dizer basta ...seja lá quando isso for!
A verdadeira revolução não será televisionada, não fará as capas dos jornais, não será recompensada de outra forma que não a de vivermos livremente, dentro de nós e com os que nos rodeiam. Há que limpar a cabeça de toda a merda com nos enchem e bombardeiam diariamente, separar o acessório do fundamental e perceber o que é realmente importante... ser-se livre vem sempre com uma responsabilidade e necessária maturidade acrescidas. É urgente ser-se gente, crucial ser-se emocional e pertinente ser-se desobediente!

Viva a Liberdade!! 25 de Abril SEMPRE!!!

www.facebook.com/vozarua

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Sitcoms, viagens no tempo e bocadinhos bem passados

At first I was sort of like Barney, hopping to be Marshall. Then I was somewhat Marshall for a little while... but than I went to be Barney some more. And all this time I never, ever... EVER... thought I was anything like Ted, oh, but I am!

E foi o fim de uma fantástica viagem no tempo, durante 208 episódios e 9 temporadas. Mais uma série estranhamente marcante que acabou e com um final à altura! Depois de Seinfeld, Scrubs, Dharma & Greg e Boston Legal, agora foi o fim de How I Met Your Mother. Fica um vazio estranho e a ideia de que já não se vai fazer outra assim, but what the hell, it's only a sitcom!


terça-feira, 1 de abril de 2014

Mentiras, máscaras e palhaçadas

Quando me perguntam porque não gosto do Carnaval e do Halloween e porque não prego partidas no 1 de Abril, só tenho um comentário…

Numa altura em que vivemos demasiado tempo no mundo da ilusão e do artificial, em que investimos tanto na virtualidade das relações e valorizamos tanto o acessório em detrimento do fundamental, faço os possíveis por não me mascarar, mentir ou deixar de dizer o que penso e sinto. E se houvesse pelo menos um dia do ano em que não se mentisse, ninguém usasse máscaras e fossemos verdadeiramente genuínos uns com os outros? Isso é que era de valor!

segunda-feira, 31 de março de 2014

Telemóveis, tarifários e avacalhanço

Andava eu a sondar tarifários de telemóvel, para ver se mudava e poupava uns contes, quando me apercebi que há um tarifário que se chama 'WTF'. 'Yorn' era mau, 'Phonix' era pior e 'What The Fuck' então!? Mau, mas mau!!

quinta-feira, 27 de março de 2014

Passarada, ansiedade e a invernia que não acaba

Este Inverno já vai longo... chato e comprido! Anda tudo sedento de bom tempo, sol e ansioso por deixar para trás estes dias cinzentos e húmidos. Até a passarada anda doida! Hoje gastei um depósito de água do esguicho do pára-brisas a limpar as monumentais cagadelas com que uma série de pássaros presentearam o meu bólide esta manhã. E prefiro partir do princípio que era mais do que um pássaro, senão até custa imaginar o tamanho do bicho e da sua frustração. Venha o bom tempo, catano!!

segunda-feira, 24 de março de 2014

A vida, a ideia e a ilusão

Por mais que se lute contra, evite ou ignore, vivemos no tempo da ilusão, daquilo que parece que é mas não é bem ou não é de todo!

A comida não é o que aparece na publicidade, muitas vezes nem no label da embalagem; alguns dos maiores negócios fazem-se sob a capa de ser "amigo do ambiente"; as modelos e os modelos não são nada do que aparecem nas revistas com tanto photoshop que é aplicado; há os que não envelhecem à custa do botox, silicone, lipoaspirações e milhares de produtos anti-envelhecimento; já ninguém tem pelos... em lado nenhum!; as luzes dos stands iludem quando compramos carros e motas; os trailers de filmes enganam, exageram, contam pedaços importantes da história e estranhamente ficam disponíveis largos meses antes da produção estar concluída; os livros vendem histórias gastas e enaltecem-se plagiadores; a música já não é bem música e vende quem monta o melhor espectáculo, pouco importando se canta mal - há softwares que ajustam desafinações em tempo real num concerto, quanto mais em estúdio! - e sabe-se lá quem escreve as letras ou de que falam... pouco importa com o barulho das luzes; as notícias dos jornais, rádio e televisão vêm de quatro ou cinco fontes noticiosas, pertencentes a dois ou três grupos de empresas, que se organizam para só deixar sair o que dá jeito aos poderosos; a justiça tem um preço e é parcial para quem a compra; os políticos são quase todos boys ou velhos do restelo; os concursos de televisão já não são por equipas, são individuais e achincalha-se quem perde; as telenovelas abusam nas mensagens publicitárias e enchem-se de causas bacocas; as revistas só mostram o que as pessoas têm, raramente o que são; os casamentos são fachadas e os casais não se esforçam por comunicar e resolver problemas que muitas vezes são apenas grãos de areia numa engrenagem que podia ser bem oleada; não há tempo para as crianças, que passam o dia inteiro ocupadas com trabalhos e tarefas como se fossem adultos e as poucas brincadeiras que têm "trancam-nas" em casa ,normalmente à volta do computador, da consola ou do telemóvel/tablet; os flirts ganham contornos via sms, mais descarados e muitas vezes pouco respeitadores (cortejar é prática em extinção!); os relacionamentos multiplicam-se pelas redes sociais, mesmo quando nunca estivemos presencialmente com aqueles "amigos" e nessas redes sociais as pessoas revelam-se com disparates, de forma desadequada e muitas vezes exageradamente, como raras vezes o fariam numa mesa de café com 20 pessoas a ouvir, quanto mais as centenas atentas na internet...

Estranho mundo, este!

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Redes sociais, redes reais e mau feitio

No Facebook e redes sociais, assim como na vida real...

"Pessoas sábias discutem ideias,
pessoas comuns discutem acontecimentos,
pessoas mesquinhas discutem pessoas."
(provérbio chinês)

Por vezes não há pachorra!!

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Ironia, compras e carrões para alguns

O que é a Ironia? Vamos por tópicos...

1. Fomos convidados, incentivados e até coagidos a consumir;

2. Os governos gastaram, a nível de recursos e apoios comunitários, aquilo que tínhamos e que não tínhamos;

3. Os bancos, seguradoras e grandes empresas de vendas a retalho andaram a viver à grande e à portuguesa, praticamente sem controlo e pouca fiscalização;

4. O Estado foi penalizado pelos exageros, descontrolos e roubos, mas quem se lixa é o mexilhão... o povão!

5. Levamos com a crise, a recessão, o desemprego, as falências, os cortes, os aumentos e tudo o que se lembram de criar para roubar quem não teve culpa, quem por ventura apenas foi na 'cantiga do malandro';

6. Apertam o cinto, enfiam a sonda pelo recto e ligam as máquinas e ficamos em coma à espera que passe...

...e agora premeiam os contribuintes, bons alunos e politicamente correctos por pedirem facturas, sorteando carros de luxo a quem for mais certinho e obediente.... a consumir!?!?

O que é que está errado neste filme!?

Carros de luxo? Sorteios?

Puta que os pariu!!

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Conversa manhosa, telefonemas e figurinhas

Haverá coisa mais ridícula e triste do que alguém irrequieto, a esbracejar, de pé de um lado para o outro a ocupar montes de espaço, a falar extremamente alto proferindo as maiores alarvidades dignas do mais orgulhoso chico-esperto, julgando que está a fazer a melhor figura possível perante quem está a ser brindado com tal performance digna de um Oscar e sem ter um pingo de vergonha na cara??? Haja paciência para gente deste calibre!

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Ano velho, novo e surpresa

Um ano difícil, tortuoso, cheio de becos e áreas mal iluminadas culminou inesperadamente no melhor final de ano de sempre, difícil de imaginar à partida.

Indeed, plan to be surprised!